O que tenho andado a fazer



Não sei se é um tópico propriamente interessante, mas numa altura em que a maioria de nós está confinado a sua casa desde meados de Março acho que tudo o que fazemos acaba por ser o reflexo também do mundo exterior. Estamos provavelmente mais ligados do que nunca, mesmo que a vertente física esteja a suplicar por nos podermos abraçar como antes, e assim sendo muitos dos novos hábitos são pensados em conjunto, feitos por muitos e eu não sou diferente. Vou falar-vos de algumas coisas que tenho feito no último mês e meio, as novidades e as rotinas que se mantiveram.

Um novo projecto de fotografia

Com o trabalho basicamente parado comecei há cerca de 50 dias um projecto fotográfico inspirado pela fotógrafa Jamie Beck. Enquanto que ela deu o título #isolationcreation ao projecto que está a ser feito por milhares de pessoas em todo o mundo - na área da fotografia e não só - eu decidi intitular o meu projecto dentro deste projecto global de #stuckinsideoneself, baseada na permissa de estar confinada, "presa", dentro de casa e tendo de recorrer ao que me rodeia para criar diariamente algo novo. O que em alguns dias é uma procura por contar histórias com adereços, em outros dias é um género de foto jornalismo caseiro no qual retrato e capturo as simples actividades diárias. Não é nada de ambicioso mas tem-me ajudado a manter uma certa lucidez no meio de tudo.

Fazer pão e testar receitas

Pois bem, juntamente com meio mundo uni-me à saga de fazer pão em casa. Tive a sorte de já ter um bom stock de fermento de padeiro antes de tudo isto começar e na verdade foi mais difícil arranjar farinha, ali durante o mês de Março, do que qualquer outra coisa. Até hoje já fiz cerca de 5 ou 6 fornadas de pão, já mudei as farinhas que uso, já testei misturas e não digo que sou uma expert na arte de fazer uma boa fornada de pão quente mas até agora ninguém se queixou e o pão desaparece rapidamente.

Para além disto tenho dado uso à Yammi que tinha por ali parada. Continuo a adorar cozinhar, de tachos e panelas ao lume, mas não posso mentir que a Yammi dá jeito para os dias de preguiça, para fazer sopas, para cozer legumes ao vapor. Na verdade entre pão, Yammi e tanto mais a cozinha tem sido dos sítios onde passo mais tempo. As próximas aventuras, que estão em stand by desde o início do ano são os donuts e a massa fresca.

Bordados e companhia

Decidi virar-me para uma nova arte e desengane-se quem acha que isto é uma coisa muito ao género do século XIX porque na verdade, e especialmente durante este último mês, as encomendas em retrosarias tem disparado, de tal modo que ando a ver-me grega para arranjar uma nova meada de fio preto. Pois bem, depois de algumas palavras de incentivo de amigas diferente e com uma prenda de anos que veio pôr fim à história de não ter material, comecei a brincar com pontos, a perceber as infinitas possibilidades do bordado livre e se neste momento ando a gastar dinheiro em alguma coisa é em material de bordado. Adoro, é extremamente calmante e a coisa de ter um sem fim de cores de linhas faz-me lembrar o ser criança e querer ter todos as cores de marcadores. Esperem aí, eu quero enganar quem? Fiz 30 anos em Abril e uma das melhores prendas dos meus amigos foi uma caixa de 100 marcadores, já que para mim canetas nunca são demais.



Leituras e séries em dia

Como se isto fosse algo novo, claro que não é. Durante o isolamento social li cerca de 15 livros (até agora), consegui colocar em dia um monte de séries e ainda começar outras tantas. Terminei finalmente as últimas temporadas de Sex Education, The Chilling Adventures of Sabrina e o final de Modern Family. Entretanto continuo a acompanhar Brooklyn Nine Nine, vejo Friends repetidamente sempre que apanho e comecei a terceira temporada de Killing Eve e iniciei-me com Westworld. Acho que durante os próximos meses ainda vou ter tempo de sobra, portanto vou misturando as séries com leituras, com outras coisas e assim passo o meu tempo.

Sem comentários:







Joana, 29 anos e natural da cidade do Porto. Sou uma fotógrafa de profissão, louca por viagens e sempre com demasiadas opiniões para dar. Este é o meu blog no qual escrevo desde 2009 e ele já mudou tanto quanto eu mudei ao longo destes últimos, quase, 10 anos.